29 de setembro de 2020 Miguel Silva

Um Sapato Pelo Brasil Resgatou Importância Social e Econômica do Produto Nacional

O setor calçadista, tradicional e importante para a economia brasileira, que gera diretamente mais de 270 mil postos de trabalho e produz mais de 900 milhões de pares de calçados anualmente (4º maior do planeta) promoveu, nos últimos dias de agosto, o movimento Um Sapato Pelo Brasil. No período, 150 das principais marcas brasileiras de calçados realizaram ações sincronizadas nas redes sociais com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a importância do setor para o País, e sobretudo da importância de se consumir calçados produzidos no Brasil, que significam emprego, renda e desenvolvimento.

Conforme relatório da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), estima-se que foram mais de 4 milhões de impressões nas redes sociais das marcas participantes, 325 mil curtidas e 11 mil comentários entre os dias 24 e 27 de agosto. “A campanha foi um sucesso, uniu concorrentes em prol de uma mesma causa, com um alcance de mais de 3,5 milhões de usuários na redes sociais.

O Movimento Demonstrou a Capacidade do Setor em Se Unir

Os feedbacks foram muito positivos e acredito que tenha sido plantada uma semente  importante neste momento histórico: A UNIÃO, avalia a coordenadora de Promoção de Imagem da Abicalçados, Alice Rodrigues, ressaltando que o movimento partiu das próprias marcas, que ao final ainda concederam descontos coletivos de até 20% para produtos comprados nos seus comércios eletrônicos.

Uma das marcas participantes foi a calçadista Bischoff Group, produtora de calçados das marcas Jorge Bischoff e Loucos & Santos. A diretora de Branding & Negócios da empresa, Natália Bischoff, aponta que a iniciativa foi de grande significado para a valorização do sapato brasileiro,

“Foi só o primeiro passo. É fundamental que esse movimento tenha continuidade, pela força social e econômica do setor”, destaca.

Segundo ela, cada vez mais é importante a criação de ações conjuntas que fortaleçam a marca “sapato do Brasil”, que é reconhecido mundialmente por qualidade, conforto e design.

A fabricante de calçados infantis Bibi entrou na campanha para exaltar a força do setor por meio da união, que se faz ainda mais necessária em momentos turbulentos como o que estamos passando. Segundo a diretora de Marca e Varejo da empresa, Camila Kohlrausch, ao participar da iniciativa, a Bibi buscou promover integração para apontar os ganhos sociais provenientes da atividade calçadista, o que deve ajudar a “abreviar a crise provocada pela pandemia”.

Consumidores Aprovaram

Quarto maior mercado consumidor de calçados do mundo, o varejo brasileiro do setor, assim como todos os demais setores econômicos, está sofrendo os efeitos do novo Coronavirus. Por outro lado, o movimento Um Sapato pelo Brasil ajudou a resgatar a importância de se consumir calçados produzidos em território nacional, como forma de gerar emprego, renda e desenvolvimento para todos os brasileiros. E a percepção foi positiva.

Rafael Martinez (35), empresário residente em São Paulo/SP, reconhece que sempre foi muito exigente na compra de sapatos e que tinha a falsa ideia de que os importados eram de melhor qualidade. “A campanha me alertou para o potencial da indústria brasileira, não só pela qualidade, mas também pela função social que ela exerce, gerando emprego e renda, favorecendo a economia do nosso País”, contou.

A servidora pública Nathalia Paola Oliveira (31), de Porto Alegre/RS, ressaltou a importância da valorização do produto nacional, que gera desenvolvimento para os brasileiros. Também comentou que o calçado brasileiro não deve em nada em termos de qualidade para calçados importados e que o consumidor local deveria ser cada vez mais consciente do fato, especialmente por meio de campanhas como a Um Sapato pelo Brasil.

“Todos os meus calçados são produzidos aqui, eu sempre tive essa consciência. E sabemos, por exemplo, que muitos estrangeiros são apaixonados por algumas marcas nacionais, sendo que aqui elas não são devidamente valorizadas. É preciso mudar esse quadro”, concluiu.

Além das marcas calçadistas, o movimento contou com o apoio dos sindicatos industriais, entidades do setor, fornecedores e lojistas.

*Conheça as marcas que aderiram ao movimento:

Alme, Amaia, Amora84, Ana Cristina Calçados, Ana Flex, Andacco, Aniger, Arezzo & Co, Azaleia, Azille, Batatinha ,BTA, Bebecê, Bem Me Quer Calçados, Bibi, Bischoff Group, BKR Amorella, Blade Footwear, Boaonda®, Bota Brasil, Bottero, Bradok, Byara, Calçados Rubra, Caminar, Capodarte, Capricho Shoes, Carrano, Cecconello , Chiringuitas Ibiza, Clo^^, CNS+, Comfortflex, Conforto, Coratta, Cristofoli, CUP Store, Dakota, Democrata, Di Valentini, Dilly Sports, Diversão Calçados, Doctor Shoes Antistaffa, Donna Carlotta, Dumond, Eléia Calçados, Esposende, Ferracini, Ferricelli Calçados, Fiever, Flib, Gaston, Giulia Domna Shoes, Grendene, Grendene Kids, Grupo Priority, Guilhermina, Invitto, Invoice Calçados, Ipadma, Jorge Bischoff, Juliana Amaral, Kids e Baby Shoes, Kidy, Kildare, Klin, La Femme, La Fitty, Lapa Shoes, Latittude, Linc Calçados, Loja Soares, Loucos&Santos, Luiza Barcelos, Lynd, Madero, Malu Super Comfort, Marjorie, Marluvas, Mary Jane, Massey, Mironneli, MITI Shoes, Mormaii Shoes, Mr. Bischoff, Mulher Sofisticada, Neorubber, Nossa Shoes, Olympikus, Opananken Antistress, Pampili, Paquetá Calçados, Paquetá, Esportes, Pegada, Perky, Perlatto, Pesh, Petit Cheval, Piccadilly, Plugt, Quinta, Valentina, Rafarillo, Ramarim, Redikal, Redmax, Renata Mello, Reserva Go, Sandro Moscoloni, Sapatoterapia, Savelli, Saygon e Syg, Sollu Calçados, Sound Kids, Sound Shoes, St. Louise, Star Universe, Starflex, Stéphanie Classic, Stepsgreen, Sticky Shoes, Street Star, Sugar Shoes, Suzana Santos, Takayama Atelier, Talkflex, Tenis GLK, TH Shoes, Tip Toey Joey, Tweenie, Umbro Brasil, Urbann Boards, Usaflex, Usthemp, Valentina Flats, Variettá, Vera Moreno Calçados, Verofatto, Vero Moc, Via Vip Calçados, Viccini, Vicenza, Vinci Shoes, Vulcabras, Wirth, WorldColors, Zagga, Zatz, * Marcas inscritas no movimento

Fonte: Abicalçados.

,