5 de junho de 2021 Miguel Silva

Imagem: Nike AR

A realidade aumentada teve seus defensores e críticos nos últimos anos, à medida que as empresas de varejo exploravam como usar a tecnologia da maneira mais eficaz.

Agora, após experiências bem-sucedidas em ativações de lojas imersivas e tecnologia de teste em casa, os dados da Snap Inc, Alter Agents e Publicis Media mostram que os consumidores compraram o AR como um item básico de compras.

Em um estudo de três partes conduzido nos EUA, Reino Unido, França e Arábia Saudita, os consumidores relataram que as experiências de RA de marca aumentam a probabilidade de comprar um produto, especialmente quando usado para oferecer suporte à personalização de produto (73%), experiência virtual ( 72%), e demonstração do produto (70%).

Isso sugere que os compradores estão vendo a RA mais como uma ferramenta de e-commerce do que um truque de marketing, que é como a tecnologia costumava ser implantada no passado.

Isso pode ter um impacto poderoso nos resultados financeiros dos varejistas que são capazes de alavancar a RA em seus próprios canais digitais. No momento, o espaço ainda é dominado por alguns jogadores importantes como a Nike, mas as taxas de participação são altas: o estudo descobriu que mais da metade das pessoas com idades entre 13 e 49 anos afirmaram ter usado RA no passado, enquanto quase um terço já se envolveu especificamente em experiências de RA de marca.

Para os comerciantes que procuram tirar proveito dessa tendência, eles podem considerar a parceria com uma plataforma de AR experiente – tanto para assistência operacional quanto para aumentar o tamanho de seu público.

O Snap é conhecido por seus lançamentos inovadores no mercado de RA e conta com uma base de consumidores altamente engajada, com seus usuários 56% mais propensos do que os não Snapchatters a participar de um programa de RA de marca.

Provavelmente, isso se deve à popularidade da empresa no grupo demográfico da Geração Z. O Snap atinge mais de 90% dos jovens de 13 a 24 anos e mais de 75% dos jovens de 13 a 34 anos nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Austrália e Holanda.

Como uma fonte confiável, torna-se um portal óbvio para parcerias de marca, especialmente porque o estudo descobriu que mais da metade dos consumidores buscou ativamente experiências de RA, como por meio da pesquisa na função de câmera do Snap.

Snap, Alter Agents e Publicis Media descobriram que, dos entrevistados, a Geração Z tem a maior conversão quando exposta à AR de marca e também a maior familiaridade com a tecnologia em geral. Uma das maiores barreiras para a adoção da tecnologia é pedir aos clientes que aprendam uma nova interface entrando em contato com aqueles que já conhecem, os comerciantes podem se concentrar em fornecer uma experiência de usuário atraente.

O novo filtro de teste de tênis da Gucci com Snapchat permite que os compradores se envolvam com o novo produto de uma forma pessoal.

Talvez o mais importante, os dados mostraram que esta não é uma tendência específica da pandemia, mas sim uma tendência que provavelmente continuará no novo normal.

Não apenas mais de 3 em cada 4 clientes acreditam que a RA terá um papel importante nos próximos cinco anos de varejo, mas 57% relataram que aumentariam o uso da RA após a pandemia.

Isso ocorre apesar dos compradores geralmente relatarem um interesse em voltar às lojas. Mostrando assim que a AR possui aplicações tanto para canais in-store como online.

Aqueles que procuram explorar a RA pela primeira vez devem estar cientes de seus casos de uso mais comuns para o varejo: para inspirar a descoberta de produtos e informar as decisões de compra, como por meio de experimentação virtual; para ajudar a promover o engajamento e a fidelidade à marca, por meio de experiências de jogos ou personalização; e para educar os consumidores, muitas vezes vinculados a ativações em locais físicos ou iniciativas maiores.

Fonte:  artigo traduzido do site Footwear News.

, , , ,