21 de maio de 2021 Miguel Silva

Sophie Howe, CEO e cofundadora da Xesto, fala sobre seu aplicativo inovador.

A próxima vez que você estiver usando um par de sapatos, dê uma boa olhada neles. Como eles calçam? Se você faz parte dos 75%  da população (este número pode chegar a 90 por cento dependendo da pesquisa que você lê) eles provavelmente não têm o tamanho ideal. E as repercussões de usar sapatos muito pequenos, muito apertados, muito longos ou muito largos são muitas – desde unhas encravadas até problemas nas costas e nas pernas.

“O pé de cada pessoa é tão diferente, e comprar sapatos não é como comprar um suéter ou uma camisa, onde se uma costura não estiver alinhada com seus ombros, tudo bem … sapatos podem ser incrivelmente dolorosos se não couberem”, diz Sophie Howe, a CEO e cofundadora do aplicativo inovador Xesto (pronuncia-se “zesto”).

O aplicativo usa a câmera FaceID de um smartphone para criar uma imagem 3D do pé de uma pessoa. Quando integrado aos sites de comércio eletrônico de varejistas, uma pessoa pode virtualmente descobrir quais sapatos vão caber melhor (o aplicativo tem precisão de 1,5 mm). Mais de 10.000 pessoas já usaram a ferramenta e a empresa agora possui grandes parcerias com diversos fabricantes de calçados.

“A primeira vez que vi alguém usando o aplicativo, meu cérebro enlouqueceu por um momento, porque era muito surreal”, disse Sophie. “Mas, com o surgimento do comércio eletrônico, faz sentido ter a capacidade de fazer uma varredura de seu pé com seu próprio telefone.”

A jornada de Sophie para se tornar a CEO de um aplicativo líder do setor, o primeiro de seu tipo, começou de forma bastante direta. Ela estudou finanças e economia na universidade e percebeu que realmente gostava de resolver problemas. Enquanto muitos de seus colegas começaram a procurar trabalho em finanças, ela caiu no mundo “nada legal da época” das startups por causa de um amigo. E é aí que as coisas começaram a clicar.

“Passei muito tempo aprendendo e tentando entender quais tecnologias poderiam existir no futuro. Houve muitas incertezas por ter que ter que aprender desde o início. ”

Sem nenhum conhecimento prévio de como executar uma startup de tecnologia ou construir um aplicativo, Sophie e seu cofundador se encontraram profundamente envolvidos em conversas sobre as maneiras inovadoras de usar câmeras de smartphone para customização. Depois de algumas dezenas de discussões sobre dimensionamento e e-commerce, o Xesto nasceu.

Uma das coisas mais impressionantes e inspiradoras sobre a jornada de Sophie até o momento é que quase todo o seu sucesso foi construído com base nas habilidades que ela aprendeu por meio da educação autoguiada.

“Passei muito tempo aprendendo e tentando entender quais tecnologias poderiam existir no futuro. Era frustrante ver como os recursos eram ruins se você quisesse aprender sobre algo. Não havia sites dizendo, ‘se você quiser aprender como codificar, vá para este site.’ ”

Sophie se viu vasculhando a Internet e mergulhando cada vez mais fundo em áreas específicas nas quais ela não tinha experiência; isso a levaria inevitavelmente a outro nicho de pesquisa na Internet e assim por diante. “Eu comecei a criar mapas mentais de como tudo estava conectado no mundo da tecnologia e da IA, e como as coisas poderiam se encaixar”, diz ela. “Estou sempre em busca de oportunidades para aprender e crescer.”

Essa escavação tecnológica eventualmente a levou ao Tech Undivided do ventureLAB – um programa de seis meses que encoraja as empresas de tecnologia lideradas por mulheres a expandir seus negócios.

“Sempre há progresso acontecendo. Você tem que comemorar todas as vitórias, mesmo que não tenham certeza de onde tudo vai acabar. ”

“Demorou muito para chegar aqui – tipo, muitos anos, e essa história nunca é realmente contada para quem quer se tornar um empresário. Passamos muitos anos batendo porta após porta, sem sucesso ”, diz ela. “Você apenas tem que seguir em frente e descobrir. Nossa primeira ideia não envolveu calçados; o que estamos fazendo agora são muitas iterações ao longo da linha. ”

Sophie também enfatiza a noção de que o sucesso não é igual para todos e que, como empresária, você precisa se acostumar com a ideia de imperfeição. “Nem tudo precisa ser perfeito. Trabalhe com uma matriz de priorização. O que precisa ser feito primeiro? As coisas vão fugir do seu controle. E por mais que você odeie, tudo bem. Você vai descobrir como as coisas funcionam, quais são as prioridades reais, e tudo mais.”

O próximo grande objetivo de Sophie para a Xesto é transformá-la em um negócio sustentável e lucrativo (com sorte, encontrar um grande investidor que deseje emparceirar-se com a empresa) e adquirir mais usuários.

Por enquanto, ela está comemorando tudo o que conquistou e as grandes vitórias que ela e sua equipe tiveram no ano passado – apesar da pandemia. “Sempre há progresso acontecendo. Você tem que comemorar todas as vitórias, mesmo que não haja certeza ”, diz ela. “Eu adoro o fato de termos trazido ao mundo algo que nunca foi feito antes. Apesar de todos os desafios, é muito gratificante saber que você está causando um impacto na vida de alguém. ”

Fonte:  artigo traduzido do site Women of Influence.

, , ,